Antes do Palmeiras entrar em campo, eu imaginava que o time jogaria pelo empate, sem se arriscar. Ao término da primeira etapa, tive de mudar de ideia, e ao fim do jogo a primeira teoria parecia ser a verdade, pena o time não ter tido competência para atingir o objetivo, ou talvez sorte para mantê-lo.

O time escalado era seguro, e começou bem, buscando marcar o gol. Apesar de a equipe equatoriana ter mantido a posse de bola, não conseguiram ser efetivos, e quando o Palmeiras pôs a bola no chão e trocou passes, conseguiu criar boas chances, a principal delas numa saída rápida de Dudu, que tocou para Willian, e o goleiro conseguiu salvar com o pé. Parecia que o Palmeiras tinha vindo para vencer e levar uma boa vantagem para São Paulo. Só pareceu.
Como falado, quando o Palmeiras teve a bola no chão, tocando e procurando a melhor opção, ao melhor estilo Academia aliando com a velocidade, acabou conseguindo levar perigo.
Quero estar enganado, mas parece que ao ir para o intervalo, o time lembrou que queria o empate, e voltou jogando defensivamente. E isso não é nenhum problema, saber defender é belo, e o Palmeiras soube fazer isso a maior parte do jogo. As boas chances do Barcelona, que conseguiu sufocar o verdão, saíram em momentos em que irei salientar mais a frente, afim de expor os erros da equipe.
Dado momento do jogo, o time se conformou e desistiu de atacar. A desfeita fez com que o Barcelona atacasse mais e, merecesse marcar o gol. O Palmeiras quis tanto o empate, que esqueceu que a Libertadores é algo totalmente diferente dos outros campeonatos, a vitória tem de ser buscada a cada segundo, e acabou pagando por sua escolha errônea. Fim de papo, 1×0 para eles.

Como dito anteriormente, o Barcelona conseguiu criar boas chances e consequentemente seu gol, por meio de dois erros.
Primeiro: Pelo lado direito deles, ou seja, no nosso lado esquerdo, onde Juninho não estava nem improvisado, mas sim perdido. Toda bola era lançada ali, e ele não teve velocidade para acompanhar, deixando a defesa exposta e obrigando os zagueiros a trabalharem dobrado. Cuca errou ao não tirar Juninho do jogo, não que ele não seja bom, mas não é por que esse improviso deu certo uma vez, que ele vá dar de novo. Cada jogo é um jogo diferente.
O segundo erro e disparado o pior: A falta de vontade de sair vencedor. Sim, o Palmeiras poderia ter tido o jogo na mão, poderia ter vencido tranquilamente. Se lá atrás a defesa estava se dando bem, na frente os jogadores pareciam querer se desfazer da bola rapidamente. No segundo tempo não ouve essa troca de passes, que foi o que levou perigo ao Barcelona no primeiro tempo. Tantas bolas rifadas para frente, sem direção, acabaram chamando o time equatoriano para nossa área. A medida que o time se satisfazia com o empate, mais o Barcelona buscava vencer.
Ao final de tudo, o time que se especializou em vencer nos últimos minutos, foi vítima disso, no dia em que ‘’a taça libertadores obsessão’’ ficou meramente em um cântico.

 

Adaptação, tempo, entrosamento…chega, CHEGA! Não da mais para aceitar essas desculpas, já ta na hora de o Palmeiras mostrar serviço, parar de oscilar. Milhões e milhões gastos para isso? Nos poupem, por favor.

Share: