Pós-Jogo| Palmeiras x Chapecoense – Procura-se futebol, procura-se Palmeiras

Allianz Parque, 7 de Dezembro de 2014. Henrique Ceifador, na marca da cal, foi pra bola tal qual Evair em 93. O divisor de águas, o presságio de dias melhores. Eu não estava no Morumbi em 93, mas estava no novo palestra em 2014. Ao ver a bola entrando, o alivio. Era um time ruim, pouco investimento, com meninos da base que foram homens e seguraram a bronca. Depois disso, 1 Copa do Brasil e 1 Brasileirão. Hoje, 21 de Agosto de 2017, temos o maior patrocinador das Américas, camisa com mais patrocínio do que carro da nascar, melhor elenco do país, melhor estádio, melhor tudo…menos, e muito menos, o melhor futebol, bem longe de vermos algo parecido com um bom jogo de bola.

Uma semana cheia para treinos. Talvez o tempo que Cuca tanto pedia. Moisés e Guerra no meio, como a torcida queria. Rolou a pelota e…nada. O jogo do Palmeiras acabou ali, depois que vossa senhoria autorizou o inicio do jogo. O Palmeiras foi aquilo que vem sendo. Time desesperado, sem criatividade, sem organização e sem objetivo algum. Bolas que iam para Roger Guedes na ponta, sem que ninguém aproximasse. Mesmas tentativas frustrada de se jogar bola na área.

O Palmeiras não manteve a intensidade do começo do jogo, e assim, deixou que Chapecoense chegasse. Eles não tiveram pressa e ditaram o jogo. E após o cruzamento; jogada que o time de Cuca tanto insiste; a desorganizaga(zaga desorganizada) palmeirense falhou e deixou a Chape fazer o primeiro.

Na segunda etapa, os catarinenses seguraram o jogo e não deixaram o verdão furar o bloqueio defensivo. O time chegou a ter 60% de posse, mas como de costume, não aproveitou isso para criar algo. A pressão só veio no final, com o recorrente desperdício e cruzamentos para área. E quando enfim a Chapecoense foi para o ataque, por mais vez as redes balançaram. Fim de jogo, 2 a 0 para a Chapecoense.

Não tem muito o que falar sobre esse jogo. Pois esse em questão, é o mesmo jogo do Palmeiras há vários meses. Criticamos as mesmas coisas há vários textos, e chega uma hora que cansa. Falo por mim, minha paciência já havia acabado na eliminação para o Cruzeiro. É ridículo. Um time que ostenta tanto dinheiro e é uma miséria dentro de campo. O tempo acabou. Todos os campeonatos se foram. Não tem mais desculpas, não tem mais história de que precisa de mais tempo.

Tempo…tanto tempo desde que Cuca retornou, e até agora nada mudou. Aliás, piorou. O cucabol, ou porco doido, isso já era, não é futebol. Hoje o Palmeiras perde para qualquer equipe bem montada e compactada em campo. O time do lateral pra área e do escanteio curto. Do zagueiro que vira atacante, e do ponto que vira lateral. Desorganizado, perdido no gramado. Jogadores monótonos, como Charles Chaplin em ”Tempos Modernos” designados a fazer apenas uma função a partida toda.

Nada de diferente, nada de criativo. Cuca voltou em Maio, e até agora não sabe quem é seu 11 inicial, não deu padrão, não passou confiança, não fez nada, nem o mínimo. Cada jogo um time diferente. Cada time diferente, uma nova decepção. Enquanto bons meninos da base são descartados, jogadores que jogam bola comem banco, o Palmeiras gasta milhões e mantém jogadores de empresários em campo.

Não devemos deixar de apoiar, jamais. Mas não se pode passar pano para o erro, achar que esta tudo tranquilo, por que não está. Temos direto de mostrar nossa revolta e o quão decepcionados estamos. Pagamos caro em ingressos, compramos camisas oficiais; que, pelo preço, devem ter sido feitas com ouro; para vermos isso?

Ralamos todo o mês para pagar contas, gastar em despesas, e quando sobra, queremos investir no nosso time, termos o manto novo e vermos um jogo no Allianz. Pode ser que muitos que vão na arena ver os jogos, sejam muito bem de vida, mas a maioria de nós somos só trabalhadores, gente que não pode desfrutar das mesmas regalias. Tanto esforço para nada.

O Palmeiras perdeu para a Chape, perdeu para si. Se perdeu. Se vocês acharem o futebol palestrino, me avisem.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *