CHEGA DE INDECISÕES!

Nessa temporada de 2017 passamos por diversos momentos de indecisões. Primeiro foi ainda em 2016 e que refletiu nesse ano, a contratação de Eduardo Baptista. A espera pelo último minuto do treinador Cuca em permanecer no comando fez com que a diretoria buscasse outro treinador e do que sobrou, essa é a realidade. Na época, Roger Machado era o predileto da torcida, seguindo outros. Todos empregados e escolha foi no escuro.

Quando se parecia começar a definir um estilo de jogo, ainda que a gente não concordasse como estava jogando a equipe, a demissão do treinador pelo fato de Cuca estar de volta ao mercado. Foi o único momento de indecisão no clube e fez unir torcida e clube, porém esqueceram dos jogadores. O treinador obteve sérios problemas com o elenco em 2016.

O atacante Borja será mais um atacante que sairá por causa de Cuca? Barrios em 2016 e Borja em 2017?

No decorrer da temporada tivemos outras indecisões, tais como: Qual o esquema tático? Qual é o time titular? O que fazer com o Felipe Melo? Borja, Willian ou Deyverson? Qual a zaga titular? Guerra na reserva? Além de várias outras que não obtivemos resposta.

Algo é muito certo nisso tudo. A participação de todas as questões do treinador Cuca. Ele foi fundamental para o título do Campeonato Brasileiro em 2017, mas terminou o ano desgastado e aliado aos problemas pessoais decidiu se afastar do futebol.

Seu retorno foi estranho, pois na primeira entrevista coletiva nos chamou atenção em seu semblante e a forma que falou sobre o elenco de 2017: “O elenco do ano passado é melhor que desse ano”. Logo na chegada e a frase não pegou bem.

Alexandre Matos quase deixou o clube no final de 2016 por causa de Cuca.

Ano passado, devido ao seu modo de comportar teve problemas com Alexandre Matos, fazendo com que o diretor de futebol quase entregasse o cargo, mas Paulo Nobre sempre foi a favor do dirigente e segurou as pontas. Suas brigas dentro do vestiário não são segredos: Prass, Dudu, Lucas Barrios, Borja, Edu Dracena e por aí vai.

Agora, temos a indecisão sobre sua permanência em 2018. Seu contrato vai até o final do ano que vem, mas não demonstra ânimo para continuar a frente da equipe, além de não estar sabendo lidar com o elenco do Palmeiras e na montagem da equipe na temporada. Não existe padrão tático, modo de jogo ou qualquer coisa que podemos dizer que é um time, e também, vários reforços foram trazidos para agregar ao elenco, mas Cuca não consegue conduzir o grupo.

Para nossa alegria, temos um elenco muito qualificado, provável que o melhor do Brasil e ainda que não estejamos bem na temporada, a qualidade da equipe faz com que a equipe não despenque ladeira abaixo. Fosse outros tempos, estaríamos brigando para não cair.

Agora, o que escrevo, é somente mera opinião e não a verdade absoluta. Só que uma coisa eu tenho certeza é que não quero mais indecisões. Chega de indecisões! Maurício Galiotte, o planejamento de 2018 já deve começar e se Cuca está indeciso, vamos encontrar outros caminhos sem ele…

Share: