O dia D, de Domingo, de Derby

  • 4 de novembro de 2017
  • Matheus Lotti
  • Matheus Lotti
  • 1999
  • 18612 Views

Eles são nossos rivais. E com certeza nossa história não seria a mesma, caso eles não existissem. O lado preto e branco da rivalidade, que ao menos em seu símbolo, ainda utiliza a cor vermelha. E quis o destino que, aquele 3×1 a nosso favor em 1917, se tornasse algo maior que apenas um jogo. Um sinônimo de grandes jogos, paixão, raça, nervos a flor da pele, a manutenção e a quebra de fila de títulos. O Derby.

Eu não me lembro do meu primeiro Palmeiras x Corinthians, mas provavelmente foi em 1999 ou 2000, quando eu não tinha ideia do que estava acontecendo, e o por que daquilo mexer tanto com meus pais e familiares. Mas o primeiro Derby no estádio, ah esse eu me lembro muito bem. Paulistão de 2007, estádio do Morumbi. Naquele dia um Animal destruiu o jogo e um chileno mostrou toda sua magia. Eu vi com meus olhos. Eu senti a vibração. Dai eu pude entender um pouco de tudo o que envolve um Parmera x Curintia.

E a cada Derby, essa paixão pelo Palmeiras aumenta. Não importando se no fim dos 90 minutos, estamos tristes com a derrota ou alegres com a vitória. É como se o rival fosse necessário para crescer em nós esse sentimento. Enfrentar o Corinthians tira o sono, aumenta a adrenalina. Ficar sem enfrentá-los faria falta.

E aquele que já é um campeonato a parte, se torna melhor ainda se ambos disputam um campeonato. Queria ter tido a experiência de viver o ano de 1993, toda aquela energia, o sentimento. Tudo, tudo. Tivemos um gosto nas semis do Paulistão 2015. Mas agora é maior, vale o título. Por mais que digamos que nosso foco é o G4, lá no fundo queremos esse Deca. Lá no fundo, o mais cético dos Palmeirenses quer acreditar em mais uma taça nacional. Davam o Palestra como morto, mas o jogo virou. O dia 5 será o dia D de Domingo, quem sabe pra lembrar aquele domingo em 1993. E já fazia alguns jogos em que tradicionalmente não nos enfrentávamos numa tarde domingo, pós a macarronada da nonna. Será um prazer disputar este título com vocês.

Ao que tudo indica, Valentim irá com o mesmo time que vem escalando. Eu optaria por escalar Felipe Melo como primeiro volante, acredito que seja jogo para ele. E toda a confiança em Borja, que vem provando a cada jogo que o treinador anterior se precipitou em não dar chances a ele, só por ele não ser um bom maratonista da bola. O outro lado vem pressionado, e eu me arrisco a dizer que irão se fechar e jogar por uma bola. Os sintomas são de um grande jogo, de muita emoção. E imaginem só, vencer em Itaquera e ficar a 2 pontos da liderança. Isso mexe demais, da aquela ansiedade boa.

O Derby. É grandioso. Dois times de mesma origem operária, em embate no gramado, duelando até o último segundo. O Derby é moldador de caráter, ele te muda. Seja o jogo no Palestra ou Itaquera, ou até mesmo no video game, nas várias disputas contra meus amigos corintianos, o Derby é Derby, nada mais, nada menos. Esqueçam os clássicos da Europa, eles nunca chegarão nem perto da dimensão que é um Palmeiras x Corinthians.

Share: