ROGER MACHADO

  • 23 de novembro de 2017
  • Blog Torcida que Canta e Vibra
  • Vinicius Cutolo
  • 2254
  • 26449 Views

O ciclo para novos nomes no mercado de treinadores no Brasil, enfim, chegou. Não é de se espantar que nomes como Luxemburgo, Oswaldo de Oliveira, Levir Culpi e outros que a lista seria enorme, precisam se reciclar ou estão ficando esquecidos no mercado cada vez mais competitivo. A renovação não parte da idade, mas de ideias, pois temos treinadores mais antigos no mercado e realizando bons trabalhos, como Renato Gaúcho e Mano Menezes, mas cada mais raro.

Surge Roger Machado, contestado por sua vinda, sem um motivo aparente, sobre comandar o Palmeiras na temporada de 2018. Entretanto, qual o perfil de trabalho do treinador? Qual seu modo de pensar o jogo? Faremos uma análise dos dois principais trabalhos realizados, no Grêmio e no Atlético/MG.

Uma entrevista concedida ao Fox Sports, afirmou que suas maiores inspirações são Felipão, pelo seu trato com a formação de um jogador, Tite pela sua inteligência tática e o modo de enxergar um jogo e Renato Gaúcho pela sua capacidade de gestão de grupo e sensibilidade de deixar todos motivados.

GRÊMIO

Após a saída de Felipão, que afirmou na sua demissão que o grupo não tinha jeito, chegou Roger Machado em maio de 2015, com o Grêmio próximo a zona de rebaixamento. Iniciou seu trabalho na recuperação dos principais atletas do grupo, a base de sustentação na equipe, como Luan, Giuliano e Douglas, fazendo que o time melhorasse a cada partida. A equipe terminou o Campeonato Brasileiro na terceira colocação.

Entretanto, em 2016 o ano não começou como esperado. A equipe não se entrosou, apesar dos reforços contratados pela equipe. Teve uma mal campanha no Campeonato Gaúcho, na Primeira Liga e apesar classificação para as oitavas de final da Libertadores, não passou pelo Rosário Central. A perda de jogadores da espinha dorsal da equipe desestabilizou todo trabalho, pois os reforços não vieram a altura. O resultado foi seu pedido de demissão em setembro de 2016. Percebeu que o ciclo havia terminado, apesar da insistência dos jogadores que queriam sua permanência. No mesmo ano, o Grêmio conquistou a Copa do Brasil e o próprio Renato Gaúcho admitiu que o Roger Machado teve grande parcela do título conquistado.

No geral, foram 93 partidas, com 48 vitórias, 21 empates e 24 derrotas, com 59% de aproveitamento.

ATLÉTICO/MG

Dizem as más linguas que seu pedido de demissão do Grêmio foi para se preparar para assumir o Atlético/MG em dezembro de 2016, para temporada do ano seguinte. Apesar do aproveitamento de 60%, ainda melhor que no trabalho anterior, não agradou a diretoria, devido a campanha do Campeonato Brasileiro.

Faturou o Campeonato Mineiro de ponta a ponta e fez a melhor campanha na primeira fase da Libertadores. A expectativa estava grande. Porém, o elenco envelhecido e os vários problemas no elenco minaram o seu trabalho (aliás, problema que insiste até hoje no Atlético/MG). Tiveram ainda as derrotas sofridas e o desempenho da equipe em casa, resultaram em sua demissão em julho de 2017, deixando o clube no meio da tabela do Campeonato Brasileiro de 2017.

MODO DE JOGO

O Cuca gostava da marcação individual, ultrapassada e que cansa demais a equipe. Isso o derrubou no Palmeiras. O novo comandante é adepto a marcação por zona, gosta da troca de passes para a contrução do gol, sem afobação e com cautela. Gosta do jogo compactado entre as linhas, até para ajudar nos passes curtos e que possuem riscos menores de erros e entregar um contra ataque ao adversário. Trabalha demais também.

Algo que aprecio é que se adapta ao elenco que tem em mãos, assim foi com o Grêmio e com o Atlético/MG, treinando várias opções de ataque, com infiltrações que podem ajudar o Borja, por exemplo e jogadas de linha de fundo.

 

Qual sua opinião sobre o novo comandante?

Convido a todos para o apoio ao novo treinador do Palmeiras para 2018 e rumo as conquistas que tanto almejamos.

#AvantiPalestra

Share: