DE FALIDO PRA FALADO

Pouco menos de 4 anos atrás, a Sociedade Esportiva Palmeiras passava por tempos complicados, tanto dentro de campo quanto fora dele. Ao mesmo tempo em que a torcida vivia carente de jogadores que representassem o Palmeiras com raça e qualidade técnica, a gestão do clube era direcionada ao fundo do poço que nós mesmos estávamos cavando. Era circulado em veículos de mídia e zoações de rivais que éramos a “4ª força” do estado de São Paulo, o time que nenhum jogador queria jogar e sempre fadado a disputar o Brasileirão olhando mais pra parte de baixo. Era o Palmeiras que os inimigos gostavam de ver.

2018 começou com várias boas notícias. Contratações de jogadores de alto nível, mudança no comando técnico, clima bom e a notícia de que em 2017 o Palmeiras alcançou uma receita pouco superior a 500 milhões de reais. Parece que o jogo virou, não é mesmo? E como o Palmeiras também é o time da virada, conseguiu ajeitar e manter uma saúde financeira, construir um centro de excelência moderno, fazer parceria com empresas patrocinadoras, ter uma Arena de última geração e consequentemente bons públicos e renda, além das categorias de base super campeãs.

Crédito: Cesar Greco / Ag Palmeiras / Divulgação

Pronto, agora é o Palmeiras que os palmeirenses estão acostumados. Um time de alto nível, um clube de gestão profissional e uma paixão que move milhões de pessoas espalhadas pelo Brasil. Mas parece que estes fatores não foram suficientes para o Palmeiras deixar de ter um tratamento de desdém e às vezes com enorme falta de profissionalismo por parte de alguns profissionais da imprensa esportiva. Programas com suas mesas e rodas de discussões me dão a impressão de que falam a mesma coisa todo dia, onde mais abordam o nome da Crefisa do que da Sociedade Esportiva Palmeiras – mesmo o clube provando nessa temporada de que não existe uma dependência.

Já não bastasse a conversa de “fair play financeiro” – quando na verdade os clubes brasileiros que precisam se desgarrar do saudosismo e modernizar a gestão de futebol deles – agora vejo veículos de mídia e jornalistas “tuiteros” problematizando a publicidade feita do Dudu para a Faculdade das Américas (FAM). Não sei se é porque as pessoas acham que isso é algo inédito, mesmo tendo jogadores como Pelé, Zico, Ronaldo, Ronaldinho Gaúcho, Neymar e tanto outros que fizeram publicidade enquanto estavam em atividade, ou se é mais o ponto onde a mídia – em geral – decidiu se apegar numa nova tentativa de desqualificar o preparo do Palmeiras para essa temporada?

Campanha da Rayovac com Pelé de garoto propaganda nos anos 70

Aos palmeirenses, fica a reflexão. Devemos sim nos informar sobre nossos times, mas com esse comportamento, no mínimo, estranho de grande parte das mídias que repercutem o futebol para nós, faz com que se torne ainda mais necessário a valorização de nossos torcedores pelas mídias palmeirenses, seja ela qual for. É preciso valorizar o trabalho de quem valoriza e respeita a Sociedade Esportiva Palmeiras como ela é: gigante!

Share: