Depois que o hexa vier

Logo no começo do ano, lembro-me de ter escrito aqui neste blog tudo aquilo que desejava ver no Palmeiras de 2018: Padrão de jogo, bola no chão, raça, time objetivo, ofensivo e que não se rende, pois no gramado a luta o aguarda. Até o último jogo contra o Flamengo, vimos o Palmeiras oscilante, que por vezes foi o melhor time de todos os tempos da ultima semana e noutras foi a maior decepção de todas. Era preciso parar e (re)pensar o futebol jogado.

Fomos então agraciados com a pausa para Copa do Mundo. E em meio a toda essa expectativa com a nossa seleção, em sua mais nova chance de trazer o hexa, trabalhar é preciso. Uma nova pré-temporada foi projetada em um torneio no Panamá. Se ajudará ou não, só vendo o pós copa para saber. Além disso, vivemos a janela de transferências, jogadores voltarão de empréstimo e outros, como Tchê Tchê e mais recentemente Keno, foram embora. Alexandre Mattos afirma que ninguém mais sairá. Mas acredito que essas não são as palavras que o torcedor queira ouvir.

Mesmo o time já tendo feito contratações e mais contratações nos últimos anos, ainda se vê necessário fazer isso. Clama-se por uma boa dupla de zaga e alguns nomes rondam pelo palestra. Com a saída de Keno, seria necessário trazer um novo ponta? Ou seria melhor utilizar alguém da base? Aliás, a base vem voando, por que não? Com as lesões de Guerra e o sono profundo de Lucas Lima(que só piorou após a sua não convocação) Scarpa é prioridade, seria bom se o clube brigasse por ele.

Olhando alguns comentários dos amigos e amigas que acompanham a página do blog, vi um que chamou minha atenção: ”Mistura de saudade com medo do que pode vir” parece que esse é o sentimento de muitos torcedores. A Copa do Mundo é um espetáculo, é maravilhoso não só assistir o Brasil, mas as outras seleções. Só que é o Palmeiras, nosso time do coração, a gente sente falta e quer ver logo o que estão nos preparando, seja bom ou ruim, pra comemorar ou pra cornetar mais ainda.

Essa pausa no brasileirão é a grande chance de acertar as coisas, de jogadores e treinador reverem conceitos, fazerem uma autocrítica quanto ao atual trabalho e darem o melhor de si quando voltarem para a cancha. Façamos nossos desejos então, tudo aquilo que queremos ver no Palmeiras, como se fosse o ano novo outra vez, com o hexa vindo ou não, temos uma seleção pra ver o resto do ano ainda.

Share: