NOVA ERA SCOLARI

Hoje é mais um dia importante na história da Sociedade Esportiva Palmeiras. Um cara que já é de casa, voltando pra casa. Não se sabe se melhor ou pior do que antes, mas ter Felipão novamente como nosso treinador é tipo ter o paizão de volta depois de uma longa viagem. Você pode até não concordar com a contratação (ou com a demissão do Roger Machado), mas se você é palmeirense, eu duvido que você não tenha ficado feliz – ainda que seja por uma memória afetiva do que o Palmeiras conquistou em sua 1ª passagem.

 

Nesta quinta, contra o Bahia pela Copa do Brasil 2018 no caldeirão da Fonte Nova, o Palmeiras terá uma espécie de degustação. Fazendo uma analogia barata, digamos que hoje teremos o prato de entrada e domingo o prato principal. Felipão não estará à beira do campo, mas a sua equipe já vem trabalhando. Paulo Turra e Carlos Pracidelli (sem esquecer do Murtosa, braço direito do Felipão) são hoje os homens de confiança do treinador. Estarão à frente do time no jogo de hoje e vamos ter um pouco a noção do que está por vir.

Se vai de Deyverson ou de Willian, ou se vai com 2 ou 3 zagueiros, eu não sei. Eu sei que se os jogadores precisam de um motivo para correr e honrar o manto que vestem, não precisam mais. Não há motivo melhor pra correr do que ter um pentacampeão do mundo na beirada do campo. Jogador estrelinha vai precisa pensar duas vezes antes de fazer biquinho e a imprensa ja pode se preparar pra respostas cascudas que vão ter que ouvir.

A nova era Scolari vem renovada, acredito que vem entendendo mais o contexto atual do futebol brasileiro e Felipão – assim como toda sua equipe – estarão em um lugar perfeito para ficar à vontade de implantar suas ideias e ter moral pra sustentá-las. A tentativa de ter um treinador da nova escola é sempre válida, mas é importante também saber a hora de ceder ao tradicional. Se iremos ser campeões, só o tempo pode afimar. Mas uma coisa eu garanto: vamos voltar a ver o Palmeiras jogar como o Palmeiras.

Share: